Muitos atribuem aos chineses a criação do ferro de passar a brasa, por volta do século V. A peça criada por eles era uma taça metálica onde era colocado o carvão em brasa, a peça possuía um cabo de marfim, utilizado para movimentar a taça sob o tecido. ⁣

Na Europa, por volta do século XIII, a peça utilizada era uma lata com orifícios onde eram colocadas as brasas, porém as roupas acabavam por ficar sujas de carvão. Com a invenção da energia elétrica em 1882, o ferro a brasa caiu em desuso e com isso a popularização do ferro a vapor, a partir da primeira metade do século XX. ⁣

No Brasil seu uso e importância perdurou por mais tempo, principalmente nas regiões onde a energia elétrica demorou a chegar. ⁣

O ferro de passar roupa a brasa do Museu Catavento faz parte do conjunto da antiga Oficina de Ferraria encontrada abandonada em Santa Cruz da Conceição em São Paulo, em 1970. Esse conjunto foi adquirido em fevereiro de 1972 pela Fundação Museu de Tecnologia de São Paulo (FMTSP).⁣

O item da foto pesa aproximadamente 5kg.⁣

Centro de Referência do Museu Catavento⁣⁣⁣⁣⁣⁣⁣
Foto: Pâmella Andrade ⁣

Museu Catavento

 

- Funcionamento:

 

De quarta a domingo, das 10h às 16h.

- Visita só com agendamento prévio:

De segunda a sexta-feira, das 10h às 16h.

Pelos telefones (11) 3246-4067 / 4140 / 4167

 

Sugestões Fale Conosco - faleconosco@cataventocultural.org.br

 

Fábricas de Cultura

 

- Funcionamento:

De quarta a domingo, das 10h às 16h.

 

Bibliotecas

 

Estúdios e salas de ensaio.

 

- Aulas presenciais a partir do dia 27/10 (aguarde o contato da unidade onde está matriculado).

              

Fale com a ouvidoria: ouvidoria@cultura.sp.gov.br |

Clique aqui e acesse o portal da transparência | 

Link para Consulta: Contrato de Gestão, Termos de Ajustes (Aditamentos), Planos de Trabalho e Valores Repassados das Fábricas |

Link para Consulta: Contrato de Gestão, Termos de Ajustes (Aditamentos), Planos de Trabalho e Valores Repassados do Museu

Desenvolvido com a permanente lembrança daqueles a quem condições pessoais e sociais não permitem desfrutar a vida por inteiro.